Posted by: carlosgrohmann | March 18, 2013

We’re moving!

From now on, new content will be at http://carlosgrohmann.com/blog. While you’re there, remember to check  carlosgrohmann.com for some more stuff on my research, publications, etc.

See you there!

Posted by: carlosgrohmann | July 10, 2012

Satélite faz foto?

Uma das coisas que me irrita é ouvir ou ler “fotografia de satélite”.

A expressão é muito comum em reportagens. Sempre que começo a ler uma matéria que trate sobre aplicações das imagens (spoilers) de satélite, até tento me preparar psicologicamente, mas, inevitavelmente, chega o ponto em que “as fotografias do satélite X mostram que…” ou onde “cientistas analisaram fotos dos satélites…”. Gente, na boa, isso dói.

Tudo bem que queremos divulgar o conhecimento a todos, usar linguagem simples e fugir dos jargões acadêmicos mas, neste caso, usar o termo correto (imagem) não faz mal a ninguém.

Imagem?

Sim, imagem de satélite.

 

Mas as fotos não são imagens?

Sim.

 

E as imagens não são fotos?

Nem sempre.

 

Vamos lá:

Aqui precisamos definir o que é uma fotografia. Fotografia (do gregos, photos = luz, + graphos = desenho, escrita) é “a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando-as em uma superfície sensível” (dá-lhe Wikipedia).

Para obter uma fotografia, a câmera precisa de um conjunto de lentes para focar a imagem, um elemento sensível à luz (seja um sensor digital fotográfico ou um filme fotográfico) e um obturador, que permite que a luz passe pelas lentes e atinja o filme ou sensor. Veja que quando o fotógrafo dispara a câmera, o obturador abre e a luz da cena é captada pelo sensor ao mesmo tempo. Não importa se a luz está sendo registrada por um sensor digital ou por compostos químicos presentes no filme fotográfico, o que importa é que a luz da cena toda foi captada ao mesmo tempo.

Já em um sensor não-fotográfico, uma “cena” ou “imagem” é composta a partir de informações captadas em momentos diferentes. Pense em um scanner. Quando você escaneia (escaneriza, digitaliza, sei lá) um documento, um sensor (aquela luzinha do scanner) “varre” o documento original e produz uma imagem final que não foi captada toda ao mesmo tempo, mas aos poucos. Essa imagem resultante não pode, portanto, ser chamada de “fotografia”.

Deixando um pouco de lado as diferenças entre os tipos de sensores que encontramos nos satélites, podemos fazer uma analogia entre as imagens de satélite e o documento escaneado. O sensor que está em órbita vai “escaneando” a Terra continuamente, e as imagens que utilizamos são na verdade compostas por partes que não foram adquiridas ao mesmo tempo (apesar do satélite ser bem rápido, a aquisição não é instantânea).

Ou seja, não são fotografias.

Resumindo, todas as fotografias são imagens, mas nem todas as imagens podem ser chamadas de fotografias.

Nesse momento é sempre bom lembrar o que eu sempre digo aos meus alunos:

 

Certo?

Posted by: carlosgrohmann | June 7, 2012

Installing GRASS Add-Ons on Mac OSX

After some searching and asking on the GRASS mailing list, I found a good way to install the GRASS add-ons on my OSX Lion.

On William Kyngesburye’s page, we find this note:

Addon Modules

Included is a build template similar to the GEM system for modules. But it doesn’t require the module source to be configured for GEM (I haven’t seen any that are yet). It’s a bit rough. See the included readme for details.

But there’s not much more. There is a nice topic in the french forumSIG, but you need to be registered in order to see the pictures. So I decided to post the instructions here.

First you need to install XCode from the AppleStore and the CLI (command line interface) tools. (the CLI tools can be installed from XCode preferences).

Next, fix the SDKs path: findo the Xcode.app, right-click over it and choose Show package contents. Now go to Xcode.app/Contents/Developer/Platforms/MacOSX.platform/Developer/SDKs and copy MacOSX10.7.sdk to /Developer/SDKs (you might need to create this folder).

Then, download and install KyngChaos’ package. It will create a directory for your GRASS version under /Library. Since the directory is read-only, we need to copy the modbuild sub-directory to another place.

In my case, I copied it to

/Users/guano/Documents/installs/grass/modbuild

Now we put the directory of the module we want to compile under the module subdir of our new modbuild directory (I’m using r.stream.order here).

Open the Terminal and go to the module’s directory, in my case /Users/guano/Documents/installs/grass/modbuild/module/r.stream.order, and run this (it’s a single line command):

make GRASS_HOME=’/Users/guano/Documents/installs/grass/modbuild/module/r.stream.order’ GRASS_APP=’/Applications/GRASS-6.4.app’

just make sure that GRASS_HOME points to your module’s directory (you can drag the folder from Finder in the Terminal and it will give you the full path to it).

After the compilation ends, you should have a directory named dist.i386-apple-darwin10.7.0 under your module’s directory (if you are on Lion. If you run an older version of OSX, the “10.X” part will reflect your system’s version).

Now you just copy the relevant files to /Library/GRASS/6.4/Modules/: copy the executable under bin to /Library/GRASS/6.4/Modules/bin and the files under html to /Library/GRASS/6.4/Modules/doc/html.

Now you should be able to run the add-on via the GRASS terminal:

Nice, huh?

Call for Papers

International Journal of Geographic Information Science

Special Issue on Geological Applications of Digital Terrain Analysis

 

Guest editors:

Carlos H. Grohmann (guano@usp.br), University of São Paulo, Brazil

George Miliaresis (gmiliar@yahoo.com), Sultan Qaboos University, Sultanate of Oman

 

Deadline for submissions: 15 November 2011

Expected dates for publications: August 2012

 

Topography is the manifestation of diverse endogenic and exogenic geologic processes that are dynamic and thus continually shape our planet. Examples being crustal deformation due to earthquakes, landslides, volcanoes, river flooding, glaciers and ice sheets melting.

Geological processes monitoring requires regularly repeated acquisition of accurate, high-resolution topographic information. The rapid growth in the availability of Digital Elevation Models (DEMs) such as the Shuttle Radar Topography Mission, TerraSAR-X Satellite Mission, ICESat and CryoSat missions, photogrammetric-derived DEMs from orbital imagery (ALOS, ASTER, SPOT) and laser altimetry/scanning (LiDAR), provided a way to look at our planet with an unprecedented detail, often allowing the recognition of previously unknown features and the establishment of their spatial relationships.

Digital Terrain Analysis (DTA) provides the framework for terrain quantification, segmentation and classification, aiming both at processes recognition and simulation in attempt to extrapolate terrain knowledge and provide insight views either to the past or to the future.

Geological science is benefited by the advances in DTA, examples being natural hazard/risk assessment, geomorphological process evaluation, morphotectonic interpretation, and geophysical data processing.

 

This special issue of IJGIS is seeking original unpublished papers that illustrate the diversity of geological applications of Digital Terrain Analysis. Suggested topics include (but are not limited to):

- Geological features segmentation from high resolution DEMs,

- Geological processes recognition and monitoring from multi-temporal DEMs,

- DTA techniques in geophysical data processing,

- DTA applications in mineral exploration, oil and gas,

etc.

 

Submission:

All manuscripts should be submitted using the journal’s online Manuscript Central facility (http://mc.manuscriptcentral.com/ijgis). Authors must select “Special Issue” while they reach the “Article Type” step in the submission process, and identify the “Geological Applications of Digital Terrain Analysis” special issue in their cover letter. First-time users must register themselves as Author.

Posted by: carlosgrohmann | April 5, 2011

Um layer ou Uma layer??

UM layer ou UMA layer?? Essa pergunta sempre aparece por aí. Tenho amigos que dizem “uma”, outros usam “um”.

Na tradução, “camada” é feminino, então “uma”. Ao mesmo tempo “plano de informação” é masculino, então “um”.

Eu sempre usei “um layer”, desde que comecei a usar programas de ilustração (nos tempos do Corel 3.0) e continuei usando quando fui pro SIG.

Outro dia soltei a pergunta no twitter:

As respostas foram variadas:

 

E você? O quê você acha? Comente.

 

Posted by: carlosgrohmann | February 10, 2011

Twitter and email acronyms

This is just FYI, but if you’re lost in the middle of all the acronyms going around, this might be useful. maybe you find yourself LOL with the list, and some are NSFW. In the end, it might be TMI anyway.

The list was compiled from this post and its comments.

Technical Twitter abbreviations:

* MT = Modified tweet. This means the tweet you’re looking at is a paraphrase of a tweet originally written by someone else.
* RT = Retweet. The tweet you’re looking at was forwarded to you by another user.
* DM = Direct message. A direct-message is a message only you and the person who sent it can read. IMPORTANT: To DM someone all you need to type is D username message.
* PRT = Partial retweet. The tweet you’re looking at is the truncated version of someone else’s tweet.
* HT = Hat tip. This is a way of attributing a link to another Twitter user.
* CC = Carbon-copy. Works the same way as email.

Acronyms (alphabetical order):

AFAIK – As far as I know’
AFK – away from keyboard
AYFKMWTS – Are you f—ing kidding me with this s—?
BFN – Bye for now
BTW – By the way
DEU – Defective end user (common PC tech problem fixing stuff that should never need to be fixed)
#FF – Follow Friday (people you think others should follow)
FML – F— my life (extreme frustration)
FTW – For the win
FWIW – For what it’s worth
FYI – for yor information
GMTA – great minds think alike
GTFOOH – Get the f— out of here
IANAL – I am not a lawyer
IDK – I don’t know
IDK – I dont know
ID Ten T (spoken) reads “ID10T”
IKR – I know right?
ILY – I love you
IMHO – In my humble opnion
IMO – In my opinion
IRL – In real life
Jk – Just kidding/joke
Js – Just saying
KWIM – Know what I mean
LOL – laughing out loud
NFW – No f—ing way
NSFW – Not safe for work
OH – Overheard
OMG – Oh my gosh/god
PEBKAC – Problem exists between keyboard and chair
Pls – Please As in, Pls RT
QOTD – quote of the day
RBN – Right Bloody Now (Brit)
RFN – Right F——digi Now (US)
ROFLMAOPMP – rolling on floor laughing my a– of pissing my pants
ROFLMAO – rolling on floor laughing my a– off
ROFL – rolling on floor laughing
STFU – Shut The F— Up
TA – Thanks alot (Brit)
TMI – Too much information
TTFN – Ta-Ta for Now (Brit)
TWSS – Thats what she said
TY – Thank you
WTF – Worse than failure / Why The Face / What the F—?
WTH – What the hell
YW – You’re welcome

[EN] After my last caving expedition, I had some problems to download my GPS data with QGIS/Gpsbabel. I found out that it was a problem with Ubuntu udev rules. Here’s how to fix that.

[PT-BR] Após a última expedição de exploração espeleológica, tive problemas para baixar os dados do meu GPS Garmin usando QGIS/Gpsbabel. Decobri se tratar de um problema com o Ubuntu, que não me dava o devido acesso ao dispositivo. VEja como corrigir esse problema.

1 – Determine if this is your problem. / Determine se este é mesmo o seu problema.
[EN] Open up a terminal window (Accessories -> Terminal) and type:
[PT] Abra uma janela de terminal (Acessórios -> Terminal) e digite:


gpsbabel -i garmin -f usb:-1

[EN] If you got something like this, this post is for you:
[PT] Se você receber uma mensagem de erro como esta, continue lendo:


Claim interface failed: could not claim interface 0: Operation not permitted.

2 – Solution: change the udev rules. / A solução: alterar as regras do udev.

[EN] Relax, this is easy. All we need is to create a text file with the new rules. You must do this with administrator (root) privileges. So, in that terminal window (you didn’t closed it, did you?) start you favorite text editor (gedit, kedit, mousepad, etc) as root:


sudo gedit

Create a new file and paste this in it:


SYSFS{idVendor}=="091e", SYSFS{idProduct}=="0003", MODE="666"

Save the file as 51-garmin.rules under /etc/udev/rules.d

Now restart the udev rules:


sudo udevadm control --reload-rules

And try again to see if you were successful:


gpsbabel -i garmin -f usb:-1

0 3724240363 292 GPSMap60CSX Software Version 4.10

That’s it! Now you’re good to go!

[PT] Fique tranquilo que a coisa é simples. Tudo o que precisamos é criar um arquivo de texto com novas regras para o udev. Isso tem que ser feito com privilégios de administrador (root). Então, naquela janela de terminal (você não a fechou, né?) inicie seu editor de textos favorito (gedit, kedit, mousepad, etc) como root:


sudo gedit

Crie um arquivo novo e cole o seguinte nele:


SYSFS{idVendor}=="091e", SYSFS{idProduct}=="0003", MODE="666"

Salve o arquivo como 51-garmin.rules no diretório /etc/udev/rules.d

Agora reinicie as regras do udev:


sudo udevadm control --reload-rules

Tente de novo com o gpsbabel para ver se deu certo:


gpsbabel -i garmin -f usb:-1

0 3724240363 292 GPSMap60CSX Software Version 4.10

Pronto! Agora você pode baixar seus dados tranquilamente.

Posted by: carlosgrohmann | December 24, 2010

AGU 2010 Fall Meeting: wrapping up

[EN]
Well, after five days in San Francisco, I’m on a plane to New York, for a bit of tourism in New York before leaving the US (and the cold) back to the Brazilian summer. This was on big meeting, by far the largest I’ve been. As usual, conferences are very usefule for meeting new people, establishing connections for future work/research or just for having a good time. In my case, I also learned a lot. Since I’m with the organizing comitee for the next Brazilian Geological Congress, I paid attention on how some things are done here so maybe we can use that experience in Brazil.

[PT-BR]
Muito bem, uma semana de congresso se passa e estou agora em um voo para New York, afinal ninguém é de ferro e passer um pouco é sempre bom. O congresso da AGU é gigante, muito maior do que qualquer coisa que eu já tenha frequentado. Foram quase 19.000 participantes e mais de 16.500 trabalhos entre apresentações orais e painéis (cerca de 4000 painéis por dia!).

Participar de um evento desse tamanho é muito bom, não só para fazer contatos e conhecer gente nova, mas também para aprender. Já que estou na comissão organizadora do próximo Congresso Brasileiro de Geologia, aproveitei para prestar atenção em como algumas coisas foram feitas aqui para, quem sabe, fazer também no Brasil.

Tivemos um momento muito interessante que foi a “Social Media Soirèe”, onde juntamos todos os que participam ou desejam participar (ou apenas têm interesse) nas mídias sociais, como blogs o twitters de divulgação científica. Foi realmente muito legal. A Maria-José Viñas, que é acessora de imprensa da AGU (e a “vos” por trás do @thaAGU) fez um trabalho excelente. Foram umas duas horas de boa conversa e boa cerveja (combinação ideal). Bons contatos foram feitos, com certeza. Tivemos até a presença do novo Chief Information Officer da AGU, que veio para nos perguntar pessoalmente quais nossas ideias para melhorar ainda mais e interação da AGU com o público. Fiquei feliz que ele gostou bastante da min ha ideia de que a AGU deveria ter seu próprio URL shortener (como o bit.ly o e goo.gl), que eu acho que deveria er a.gu.

Outro ponto interessante é a experiência pessoal. Quando se participa de um evento menor, é sempre possível combinar com amigos de se encontrar “por aí” no dia seguinte. O espaço não é tão grande e a quantidade de pessoas também. Aqui não. é muita gente, muita mesmo. Não dá pra dizer “a gente se encontra amanhã”, a não ser que você marque um local e horário. Isso pode ser ruim para quem está sozinho (como eu estava). Você até encontra um conhecido, ou conhece alguém novo, mas pode ficar difícil reencontrar essa pessoa. Então fica uma dica, não vá sozinho. A não ser que você seja do tipo que que se mistura facilmente e faz amigos em qualquer canto (eu não sou).

Mas de qualquer maneira, vá. A AGU é uma organização gigantesca, com dezenas de milhares de associados e o Fall Meeting é certamente o maior evento de geociências atualmente. A exposição tem de tudo, contando com estandes altamente disputados como a NASA até uns em que os expositores ficam com cara de coitados porque ninguém para por ali. É sempre uma boa oprtunidade para comprar livros com desconto e concorrer a alguns sorteios.

Posted by: carlosgrohmann | December 15, 2010

AGU Fall Meeting 2010: second update

[EN] Tuesday wasn’t so productive for me. I went to the posters in the morning but in the afternoon, I went shopping some sports gear, so in the end of the day I was really tired and on top of that, I had to practice my presentation, so I went home early, without any beer consumed.

[PT-BR] No segundo dia de congresso, nada de muito congresso pra mim. Pela manhã dei uma andaa pelos painéis e na feira. Pela tarde, saí andando até a REI, uma loja de esportes bem legal mas que fica um pouco longe. Depois das compras, com o tempo piorando (chovia), voltei de táxi para o evento mas o cansaço era grande e não aguentei esperar o evento das 19:00, um painel com diretores e roteiristas de Hollywood sobre ciência e cinema. Mas, cmo eu tinha que preparar a apresentação, no fim foi melhor ter ido embora cedo, antes que a cerveja começasse.

A feira de expositores aqui também é muito mais civilizada que nos congresso brasileiros. Apesar de que eventualmente rolem alguns amontoados de gente tentando pgar aquele brinde mais legal, no gerl é bem tranquilo. Em parte fiquei um pouco decepcionado porque esperava mais estande vendendo equipamentos de campo, como bússolas e cadernetas. O estande da ASC Scientific, por exemplo, ó tinha alguns equipamentos bem caros pra demonstração. Mas conversei com os caras e eles concordaram em mandar uma encomenda expressa da sede com uma bússola pra mim. Vamos ver se chega antes do congresso terminar.

Os estandes das editoras são atrações a parte. Com vários livros bem interesantes, dá vontade de comprar meio mundo de coisa, mas tem que ter cuidado senão o dinheiro acaba.

Tem também umas coisas que nunca achei que ia ver ao vivo, como ROV, aqueles robozinhos que a gente vê nos programas da National Geographic, que exploram o fundo do mar, e até um planetário inflável. Me senti de volta a graduação, pegando tudo que era brinde nos estandes…

Olha o robozinho do Titanic

Uma esfera maluca pra descer 27.428,765 léguas submarinas

Atenção ao nome do instituto...

Planetário inflável, ótimo pras noites de chuva com as crianças.

Posted by: carlosgrohmann | December 13, 2010

AGU Fall Meeting 2010: first update

[EN] First updates on AGU 2010 Fall Meeting, in San Francisco, CA. This is for sure the biggest meeting I’ve been. A bazillion people, thousands of posters per day, tens of interesting talks. It’s hard to decide what to attend.

[PT-BR] Buenas, finalmente cheguei em San Francisco. Depois de quase 17 horas de viagem, passando por Washington Dulles, onde o mau tempo atrasou um pouco o voo para SFO. Apesar do inverno, por aqui não chove, mas está nublado e faz uns 12 graus. Parece até inverno paulistano.

O congresso é realmente gigante. Espera-se quase 19.000 pessoas (!), mais de 16.500 abstracts. São milhares de posters por dia, e dezenas de palestras. Fica bem difícil escolher o que assistir.

A “festa” de abertura foi algo bem interessante. Não é bem uma festa como teríamos em um congresso brasileiro de geologia, por exemplo. É um “ice breaker”. Imagine um salão beeem amplo, com umas 2000 pessoas, todas muito civilizadas. Há três ou quatro mesas com refrigerante e sucos, e mais umas três ou quatro ilhas de chopp. Não há confusão, nem filas. Tem horas em que as ilhas de chopp ficam vazias (!). Quase igual no Brasil, onde haveria bandos se debatendo por um copo. Quando chega a hora de acabar (19:00), simplesmente fecham-se as torneiras do chopp, os funcionários avisam que acabou e pronto. Todos vão embora tranquilamente. Outro mundo.

Assim que eu lembrar de trazer o adaptador do cartão de memória da máquina, posto algumas fotos.

Um ponto alto da festa: encontrei uma amiga que não não via há um bom tempo. Anelize, formada na UFPR hoje faz doutorado na ETHZ (Zurique).

[Edit] Agora sim, algumas fotos:

Entrada da área de inscrições

Muita gente na festa de abertura

Ilha de chopp sem fila!

Olha que gente civilizada

Older Posts »

Categories

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.